Receba o Epíteto e o Bosque que te dei.

Oferto-te com o que é mais possível
nesses instantes em que nossos corpos
jamais puderam se tocar em aprazível.

Receba com calor o que fiz com tanto ardor.
Submeti-me a sacrifícios para existir mérito,
pois sem os tais não há brio, sequer valor

Quero que sinta nesta obra linda
O máximo que a essência d’um ser
pode emanar para sua eleita querida
corroborar afeto, produzir prazer...

Se o crepúsculo que vem caindo, me anoitecer
entre neste teu bosque que aqui estarei
estimando a lisura no tecer
p'ra amainar o embalde desejo de te ver,
tocar, respirar, sentir e te envolver

Cingindo o teu sorriso ledo,
exaurindo o teu lacrimejar nostalgia,
certificando-te que há um dilúculo
onde jazeremos com a fidúcia

DE NUNCA MAIS HAVER ESTORVOS

NESTE ALMEJADO DEFRONTAR.

 

... e o que foi escrito que seja cumprido!

 

Cavaleiro Mago

 

De todo o coração, os receberei.

 

 

 

Para sempre a tua Fada das Letras serei
e no bosque que me ofertaste, habitarei
Te esperarei nas luminosas madrugadas
Envolvida nas minhas frágeis e finas asas

Nunca mais experimentarei solidão e nostalgia
Aqui de tua alma enleada na minha, desfrutarei
Tua dádiva celestial, fonte de eterna alegria
Nesta vida e pela eternidade, cá te aguardarei

Se as vicissitudes da vida, se vieram manifestar
E as forças do mal de novo nos quiserem separar
No palácio que me ofertaste, me virei albergar
As emoções que me abonaste, irão me amparar

E se nesta vida terrena, nunca te puder tocar,
Ao encontro do teu corpo etéreo, irei voar
Em serenas madrugadas para te poder amar
Em voláteis luzes pelo bosque te irei abraçar

Se de mim tiveres saudades, vem-me visitar
Adentra meu bosque encantado, galopando
Na relva perfumada, vem comigo descansar
De tuas lutas e duras batalhas, irei te cuidar

 

Fada das Letras